RÁDIO ARQIVO5

http://streaming29.hstbr.net/player/radioarquiv

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Quase 70 carros da Prefeitura estão quebrados

A frota municipal é formada por mais de 200 automóveis, caminhões e máquinas. E mais da metade dos veículos que estão sendo usados.
  Cerca de 30 por cento dos veículos da frota própria da Prefeitura de Feira de Santana não mais estão em condições de uso. Estão parados por problemas mecânicos ou de chaparia ou as duas situações. Este percentual representa quase 70 carros.

A frota municipal é formada por mais de 200 automóveis, caminhões e máquinas. E mais da metade dos veículos que estão sendo usados, diz o chefe da Divisão de Veículos, Joeldson Sena, apresentam problemas estruturais ou mecânicos. “Foram consertados aqui mesmo, mas estão sendo usados a contento”. 

Os problemas se acentuaram nos últimos 12 meses, quando empresas que prestavam serviço à Prefeitura na recuperação e consertos dos veículos e os fornecedores de peças suspenderam unilateralmente as relações com o Município, de acordo com Sena. “É uma situação das mais preocupantes”. Para ele, a situação se agravou pois a manutenção preventiva deixou de ser realizada.

Praticamente todos os espaços da garagem estão ocupados por carros quebrados. Outros foram levados para uma área no Museu Parque do Saber Dival da Silva Pitombo. Alguns desde no ano passado estão na sedes das empresas que prestavam serviços ao Município, devido a pendências financeiras.

Sena afirmou que estão recebendo atenção diferenciada as ambulâncias, carros da fiscalização da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), mais os da Guarda Municipal. “Todos os veículos são importantes, mas estes três setores prestam serviços considerados essenciais à população”.

Ele explicou que devido a situação dos veículos, a expectativa é de que dentro de quatro ou cinco meses a situação esteja resolvida. “Mas estamos trabalhando para que não haja problemas na prestação do serviço à comunidade devido a situação da frota. Vamos trabalhar com o que temos em mãos”, encerrou.

(Secom)

Nenhum comentário:

Postar um comentário