RÁDIO ARQIVO5

http://streaming29.hstbr.net/player/radioarquiv

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Governo Operação Acerto de Contas abala relações PT-PSD

Feita sem o conhecimento do ex-prefeito Gilberto Kassab, a Operação Acerto de Contas pode ter dado o impulso definitivo na candidatura do presidente do PSD ao governo paulista, além de abalar negociações com o PT.Operação Acerto de Contas abala relações PT-PSD
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vinha tentando costurar uma aliança com o petista Alexandre Padilha na cabeça de chapa e Kassab como vice. Mas a forma como foi feita a operação pôs tudo a perder, na opinião de líderes do PSD.
O descontentamento do partido com o PT pode ter reflexos também nas relações com o governo federal, no momento em que tanto Dilma Rousseff quanto Lula tentam arregimentar o máximo de partidos para a aliança que buscará a reeleição da presidente da República. O Palácio do Planalto informou que não comentaria uma operação da Prefeitura, mas assessores de Dilma disseram que esperam ter o partido de Kassab na frente pela reeleição.
Oficialmente, o PSD já não integra a base aliada, pois o ex-prefeito decidiu que quaisquer negociações nesse sentido deveriam ocorrer só em 2014. Agora, porém, de acordo com líderes partidários, não haverá como esquecer facilmente das sequelas também no plano federal.
A direção informou que o partido não se sente atingido pela operação, porque os servidores eram todos de carreira. E um deles - Ronilson Bezerra Rodrigues - ganhou uma função de confiança na São Paulo Transporte (SPTrans) na gestão Haddad. Mas o descontentamento foi geral com a forma como as investigações ocorreram. Kassab não foi informado de nada. E as investigações, de acordo com políticos do PSD, deixaram claro que o alvo foi a administração dele.
O PSD procurou fazer a defesa de Kassab durante todo o dia. Integrante da Executiva e ex-líder na Câmara, o deputado Guilherme Campos (SP) disse que as investigações sobre a cobrança de propina para liberar empreendimentos imobiliários na capital começaram durante a gestão de Gilberto Kassab e se prolongaram pela atual. "Todos os servidores são de carreira. Não há nenhuma indicação política."

Em São Paulo

A divulgação de um escândalo envolvendo a gestão Kassab cerca de oito horas após a aprovação definitiva do IPTU também não foi considerada uma simples coincidência por vereadores do PSD. Durante a votação, 7 dos 8 parlamentares da sigla foram contra a proposta de Haddad.
"Considero, sim, como represália. A operação já estava em andamento, é claro, mas a data da divulgação foi, no mínimo, muito bem planejada", disse um deles. O bloco, no entanto, afirmou que vai "continuar votando de forma independente".
Para representantes do PT na Câmara, porém, a tentativa de relacionar os fatos é absurda. "Como poderíamos organizar toda uma operação da noite para o dia? Isso não existe", afirmou Alfredinho. / COLABOROU ADRIANA FERRAZ


Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário